terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Peyronie tem cura?

Tomando em consideração as fases conhecidas da etiopatogênese e as alterações histológicas desta doença, consideramos que é de grande importância o tratamento conservador do depósito patológico de colágeno da túnica albugínea do pênis, dado que é conhecida a capacidade de interferon alfa-2b de alterar a atividade metabólica dos fibroblastos in vitro e provocar a diminuição da produção de colágeno e o aumento da produção de colagenase.
A laserterapia deverá ser combinada com a injeção de interferon alfa-2b. As injeções de interferon são feitas 2 vezes por semana com a dose de 1 a 3 milhões ME.

Em todos os pacientes incluídos no estudo dos indicadores relacionados com interferon, foi observada a diminuição significativa de interferon alfa e interferon gama induzidos, e após o tratamento, a normalização ou a dinâmica positiva destes parâmetros. Sendo assim, a combinação da terapia magnetolaser com a administração de interferon alfa-2b mostrou-se eficaz no tratamento da doença de Peyronie do 2.º estágio, ao eliminar as dores e ao diminuir a curvatura do pênis. Em virtude dos seus efeitos analgésicos, anti-inflamatório e imunomodulador, a radiação laser de baixa intensidade é recomendada para o tratamento da doença de Peyronie no 1.º e no 2.º estágio. No 3.º e no 4.º estágio da doença, é indicado o tratamento cirúrgico, no entanto, é possível utilizar a magnetolaserterapia para diminuir a inflamação perifocal em redor da placa no período pré-operatório e para a prevenção de recidivas.