terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Cisto nos ovários sintomas e tratamentos

Existem muitos problemas que podem acometer homens e mulheres e que podem resultar em dificuldades de engravidar, pois comprometem a fertilidade do casal. Um desses exemplos é o cisto ovário impede gravidez, sendo necessário tratar esse problema para que o organismo feminino possa gerar um bebê. Para entender como funciona o problema de cisto ovário impede gravidez, vale lembrar que os ovários são dois órgãos, situados cada um de um lado do útero, e são eles os responsáveis pela produção dos hormônios sexuais femininos.

Estudos apontam que 20% a 30% das mulheres podem desenvolver cisto ovário impede gravidez, que são pequenas bolsas que contêm material líquido ou semissólido. Esse problema também é 
conhecido como Síndrome dos Ovários Policísticos – SOP, sendo que ainda não se sabe qual a sua causa, mas já afeta em torno de 10% das mulheres em idade fértil. Embora prejudique a fertilidade feminina, se a mulher engravidar tendo esse problema, ela pode sofrer um aborto espontâneo nos três primeiros meses de gestação.
A síndrome também provoca alterações na menstruação, aumento de peso e de pelos, bem como o surgimento de acnes e a queda de cabelo. Uma das hipóteses é que esse problema pode ter como origem o aumento dos hormônios masculinos. Segundo pesquisadores, a presença em excesso desses hormônios no corpo da mulher prejudica a formação dos óvulos. Além disso, quando formados, os óvulos possuem baixa qualidade, o que dificulta a sua implantação no útero, impedindo o início da gravidez.
Outra causa para o SOP pode ser um defeito na ação da insulina, isto é, entre 30 e 50% das mulheres portadoras da síndrome possuem resistência a essa substância secretada na área do pâncreas. E mais: elas têm maior tendência de desenvolver diabetes tipo 2, bem como pressão alta e câncer de útero e de mama.
Alguns especialistas afirmam que o cisto no ovário e o ovário policístico não são a mesma coisa, uma vez que o número e tamanho de cistos são diferentes. Porém, os seus sintomas são os mesmos e acomete, em especial, mulheres de 30 e 40 anos. De qualquer forma, como se trata de uma doença crônica, o tratamento é sintomático e vai depender de cada situação, sendo que em alguns casos somente o fato de perder peso já é suficiente.
Em outros casos, entretanto, é preciso diminuir a produção de hormônios masculinos, ainda mais se a mulher não estiver acima do seu peso e, para tanto, as pílulas anticoncepcionais que atuam também na unidade pilossebácea, reduzindo a produção de sebo e o crescimento dos pelos, pode ajudar a reverter o problema. Se o problema está prejudicando a fertilidade da mulher, o médico pode indicar, ainda, o clomifeno, um indutor da ovulação. Os ovários também podem ser estimulados com gonadotrofinas, um tipo de cauterização laparoscópica.
Além de buscar ajuda médica para que seja escolhido o melhor tratamento, é importante que a mulher que tenha cisto no ovário consulte regularmente um ginecologista e sempre faça os exames que ele indicar, sendo que essa recomendação serve, aliás, para todas as mulheres que desejam garantir a saúde do seu sistema reprodutor. Além disso, as mulheres com ovário policístico têm maiores chances de desenvolver problemas cardiovasculares na menopausa.
O controle do peso é mais do que importante, pois a obesidade agrava os sintomas da síndrome, além de já ser sabido que mesmo o sobrepeso é responsável por outros problemas de fertilidade, tanto em homens como em mulheres. Para ajudar na perda de peso, entretanto, não basta apenas comer pouco, deve-se comer alimentos saudáveis, praticar exercícios e eliminar os hábitos de fumar e não exagerar nas bebidas alcoólicas.