segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Objetiva macro

Fotografar coisas pequenas pode trazer surpresas. Muitas vezes, nossos olhos não vêem as mandíbulas de um grilo ou a penugem de uma folha. As lentes macro colocam objetos muito pequenos em foco a partir de uma distância muito curta e os tornam grandes o suficiente para preencherem o quadro.
As macros normalmente vêm em três distancias focais – 50 mm, 90 mm e uma teleobjetiva de 180 mm. Macros com distâncias focais maiores permitem distância maior entre a câmera e o objeto, o que ajuda a melhorar a iluminação. Ao trabalhar a centímetros de distância, a câmera pode bloquear a luz. Essas lentes também podem ajudar com seres vivos e voadores, como borboletas. As macros de longa distância, no entanto, também significam aparelhagem maior, mais pesada e mais cara.
O dobro das lentes normais
A macro pode focar até o infinito, mas foi criada para distâncias muito mais curtas. Uma verdadeira macro deve resultar em um campo plano, mínima distorção e alta nitidez na distância mais curta. Também deve oferecer ampliação de pelo menos metade do tamanho verdadeiro, apesar de a maioria delas oferecer 1x (tamanho real). Com 1x, se uma minhoca de 1 centímetro de comprimento é fotografada, terá o mesmo tamanho no sensor. Para closes ainda mais extremos, pode-se comprar um tubo de extensão, colocado entre a câmera e a lente.
Mova-se devagar para fazer fotos macro de animais pequenos. Se acostume com a distância focal da lente para, quando chegar perto, poder fotografar rápido.

De manhã cedo é o melhor horário para fotografar insetos, já que esses pequenos seres ficam imobilizados até que o orvalho se evapore.

Os fotógrafos têm a oportunidade de fazer escolhas mesmo com lentes macro, ajustando-as para uma profundidade de campo maior ou menor. A fotografia macro coloca os detalhes em foco, às vezes de maneira mais clara do que se pode reconhecer a olho nu. O botão em desenvolvimento desta equinácea brilha e mostra suas cerdas. David Evans Becket, Massachusetts, EUA