quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Fotografando alimentos

Quando vamos a uma livraria, folheamos um livro de receita, ou mesmo quando estamos em um restaurante escolhendo o prato do cardápio, nos deparamos com belíssimas fotos de alimentos. Muitas vezes, a fotografia tem mais destaque que a própria receita ou o preço no cardápio. Estas imagens, que nos dão água na boca, estão ali para isto mesmo vender.
Quem nunca escutou o ditado de que um bom prato de comida começa a ser desfrutado com os olhos?

Hoje em dia já há vários restaurantes que utilizam de fotografias em seus cardápios para ilustrar os seus mais diversificados pratos de comida, sem falar, do tradicional uso desse tipo de imagens nos livros de receitas culinárias.

Para elaborar esse tipo de fotografia, que, diga-se de passagem, não é tarefa fácil, separamos algumas dicas importantes para facilitar a vida do fotógrafo que deseja ampliar suas opções ou se especializar nesse tema fotográfico.

Basicamente a fotografia de alimentos é considerada uma fotografia de natureza morta, que retrata a seres inanimados, no nosso caso, alimentos em geral. Sendo assim, a iluminação é um dos principais fatores nesse tipo de fotografia.

Em seu ensaio procure montar o seu “estúdio” próximo de uma janela, ou algum local que possa utilizar da luz natural, que dará aos seus alimentos a sensação de frescor. Utilize também a luz artificial de um flash, que rebatida sobre alguma parede (refletor), equilibrará as luzes e sombras.
Alguns alimentos permitem ao fotógrafo que leve mais tempo no momento de realizar o seu trabalho, porém, na maioria dos casos são necessárias velocidade e agilidade imediata. Os alimentos cozidos perdem a cor e a composição se tarda muito tempo expostos ao ar e podem aparentar menos apetitosos em poucos minutos. A melhor maneira de evitar esse tipo de problema, é estar ciente previamente qual alimento será trabalhado e sacá-lo em cena apenas na hora “H”.
Como em toda a fotografia, nessa também é necessário buscar e encontrar um estilo próprio de fotografar. O equilíbrio de cores, formas, linhas e dos elementos secundários decorativos, dará a sua fotografia o estilo que busca. Não se esqueça de conferir as milhares de publicações já existentes no mercado, servirá para preparar e aprofundar ainda mais o seu olhar.
Um artifício muito utilizado pelos fotógrafos é o uso de azeite vegetal para dar brilho aos alimentos. Com a ajuda de um pincel, de uma untada em seus alimentos antes de realizar o seu ensaio.

O uso de objetivas macro nesse tema também é comum. Explorar os detalhes de seus alimentos ressaltando suas fibras e gomos resultarão em imagens com um toque mais artístico.
Procure fotografar do ângulo mais baixo possível, porque vai emprestar mais altura aos alimentos. Regral geral, quanto mais baixo fotografar, mais bonita vai ficar a imagem. No entanto, se descer demasiado, corre o risco de não captar a parte de cima da comida, eliminando uma das suas dimensões, o que resulta numa fotografia 2D e não 3D como é suposto! As fotografias tiradas de um ângulo baixo requerem alguns adereços para preencher o espaço vertical que vai ficar muito “vazio”.

O vapor emitido pelos alimentos recém-cozinhados cria um efeito magnífico em sua imagem aumentando ainda mais a “fome” de seu espectador. Um truque para quando se esfrie a comida sem que ainda o fotógrafo não tenha tido tempo de captar esse momento, é umedecer pequenas “bolinhas” de algodão em água fervente e posicioná-las por trás dos alimentos.