quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Dirigir um ensaio fotográfico

Uma coisa de suma importância para fotografar pessoas é observar o fundo, pois muitas vezes ele chama mais a atenção do que a pessoa sendo fotografada.  Perceba no fundo o que é mais importante, não deixe galhos, construções ou objetos estranhos terem mais destaque do que a pessoa.

Fotografe com a distância focal próxima de 50 mm. Além de evitar distorções na imagem, você manterá uma distância agradável de quem está posando. Não estará muito perto para não parecer invasivo ou causar a sensação de que está ordenando, nem muito longe a ponto de precisar falar gritar para comunicar uma pose ou um gesto.
Toda câmera, mesmo as compactas possuem diafragma, sugiro que deixe ele aberto o máximo – que será o menor numero f. Para retratos essa técnica é essencial. Assim o fotografado terá maior destaque.

Deixe a câmera no nível dos olhos da pessoa, assim não cria distorção ou proporções erradas.
Na hora de enquadrar mantenha uma distancia da pessoa e de zoom na câmera para criar o enquadramento. Se você deixar a câmera com o quadro mais aberto e se aproximar, estará usando a lente grande angular que cria uma distorção na imagem. Além de criar menos desfoque no fundo.
Sempre vá alternando a câmera, uma hora na vertical uma hora na horizontal. Geralmente para o retrato de uma pessoa, usa a câmera na vertical e horizontal para duas ou mais pessoas, isso cria um equilíbrio na fotografia.
  Dirigir nada mais é que moldar a relação entre fotógrafo e fotografado para atingir um resultado específico de interpretação. O bom retrato é um encontro das expectativas de quem posa, de quem a pessoa acha que é e de como ela se vê, e de como o fotógrafo faz a leitura daquela personalidade, projetando-a no seu próprio estilo de registrar uma emoção e um momento.

Conte até três. Quando estou fotografando e as pessoas estão posando para a foto e elas não são profissionais, eu conto até três, eu digo “No três, e um, dois e clic”, parece bobagem, mas tenho verificado uma qualidade superior nas minhas imagem devido a isso, sinto que as pessoas ficam mais atentas, não piscam ou falam na hora. Após o clic eu sempre elogio, isso dá mais animo e segurança para o fotografado.

Se o dia estiver nublado ou com algumas nuvens criando uma sombra menos dura no rosto do fotografado, pode fotografar. Na sombra você terá uma luz mais equilibrada, criando suavidade para a fotografia, muito sol cria contraste excessivo.  A expressão da pessoa também fica melhor, olhos mais abertos.
O maior problema de alguém que não sabe dirigir um modelo é a falta de diálogo e vergonha de projetar seu próprio corpo ou rosto na expressão que gostaria de ter. Isso acontece principalmente com alguns homens quando fotografam mulheres: não sabem explicar uma pose e tem receio de parecer femininos demais ao mostrar um exemplo. Fotógrafos precisam ser modelos e atores descarados, sem medo de julgamentos. 
Um retrato é sempre uma exposição das interpretações de quem posa. Dependendo do caso, isso ocorre em níveis maiores ou menores de intimidade que, portanto, exigem diferentes táticas de direção. O respeito para com o fotografado, seja ele um modelo profissional, uma celebridade ou alguém da família, é o mesmo; os métodos para conseguir transpor as emoções de cada um é que seguem caminhos diferentes, porque algumas pessoas estão mais acostumadas a estar em frente às câmeras que outras.
Saber comunicar é um dos principais requisitos para um bom fotógrafo. Além de transmitir uma ideia com a própria fotografia, é preciso saber comunicar ao modelo e à equipe envolvida que ideia é essa. De nada adianta elaborar um conceito, montar o esquema de iluminação, colocar alguém sobre a banqueta e esperar o milagre da interpretação perfeita acontecer. Modelos iniciantes e pessoas comuns precisam saber, ao menos, de onde a luz está vindo, qual parte do corpo está sendo fotografada e com qual objetivo.

Tirar foto cansa! Ficar indo pra lá e pra cá em um parque também! Faça de tudo para otimizar o Ensaio e gastar o mínimo de tempo possível. Para isso a palavra chave é planejamento. Planeje o Ensaio para que ele não dure muito tempo.
Direção de modelo em profissional e em ensaios comuns são coisas bastante diferentes. Em moda, o cliente – que, geralmente, não é o fotógrafo – apresenta um briefing a alguém que já tem experiência em projetar o corpo e a expressão facial para alcançar um resultado específico. Nesses casos, o ensaio flui sem muitas interferências – afinal, tempo é dinheiro e energia. Em ensaios simples, onde quem posa é alguma amiga ou algum cliente desconhecido, o desafio é muito maior.

Algumas pessoas são pouco confortáveis com a própria aparência, especialmente estando em frente à câmera. Elogie-as durante o ensaio, mas com o cuidado para não exagerar, parecer piegas e arruinar de vez a autoestima.
Ângulos baixos, com a câmera abaixo do nível da cintura, tendem a alongar o corpo do modelo. Essa técnica não funciona com pessoas muito acima do peso, porque aumenta o corpo e diminui a cabeça, deixando as proporções estranhas.
Você passa o dia todo olhando sites aleatórios na internet se puder, que eu sei! Então repertório para interagir com o cliente, você tem. Deixe-o à vontade, faça uma brincadeira, um comentário engraçado, provoque uma risada. Mas mantenha o tom profissional, afinal, por mais divertido que seja, você está ali a trabalho.

Usar luz rebatida em superfícies para iluminar o assunto evitando a luz direta quando ela não pode ser controlada. Por exemplo, uma parede , muro ou mesmo um rebatedor.
Quando o caminho da luz é alterado ao ultrapassar uma área que reduz sua intensidade gerando sobras e áreas iluminadas. Por exemplo, o luz da janela incidindo diretamente sobre o assunto.