terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Dicas pra você tirar boas fotos na natureza

Fotografia de natureza

(Na fotografia de aves, a luz frontal “chapada”, define olhos e cores e dá um  brilho especial nas penas.)
A  fonte de luz contribui  também para a difração dos raios luminosos , baixando o contraste  entre as sombras e as áreas que lhe são vizinhas . É possível classificar a luz de muitas maneiras, com critérios diferentes; uma é considerando seu ângulo de incidência sobre a paisagem e os objetos-sua direção. Em síntese, há luz frontal, luz vertical contraluz, luz lateral em ângulo de 90  ͦ e intermediários (45  ͦ,60 ͦ etc. e as luzes difusas  que incidem de todas as  direções como quando o céu está nublado .a luz frontal  conhecida como “ chapada “ com a fonte de luz atrás do fotografo e mais ou menos alinhada com seu ângulo de visão , elimina sombras , volumes e texturas .não é  necessariamente uma luz ruim ou feia para fotos de  paisagem essa classificação depende do julgamento do fotografo é excelente para a fotografia de aves. A luz frontal não cria texturas e sombras ,ou apenas cria sombras curtas,e quase tudo é iluminado  pelo raios de luz . é a situação de maior reflexão pelas superfícies iluminadas , na qual se aplica  a lei do f/16: com a abertura do diafragma em f/16,a velocidade de obturação é igual ao ISO .por  exemplo :com ISO 100,exposição é 1/100s.A iluminação chapada  e sem sombras também enfatiza  a camuflagem de animais ,pois  não cria volume ,não destaca  a forma do bicho  com sua sombra ,o que o separaria do fundo.o padrão do pelo ou plumagem aparece “chapado” no fundo colodo  e confundido com o fundo. A luz vertical é luz com o sol a pino, criadora de texturas em   superfícies verticais como edifícios e paredões de montanhas ,mas também projeta as  sombras das copas das arvores sobre  seus galhos e troncos,ocultando a arvore ,escondendo o rosto  moreno dos  brasileiros sob a sombras de chapéus de palha  e varandas cobertas sob as sombras de amplos  telhados .
Ao fotografar em praias com o sol a pino, o horizonte fica com o céu bem azul,a areia ,branca e as cores são fortes e saturadas .com filtro  polarizador – um dos poucos filtros ainda uteis era digital –para remover reflexos ,há a  oportunidade de fotografar á La Gauguin .o Frances Paul gauguin pintou nos trópicos .no Taiti e usou cores intensas .chamo de efeito gauguin”
Esse tratamento de cores tropicais, exuberantes e saturadas em situações em que a luz incide frontalmente ou verticalmente.

 Nas fotos á La gauguin a cor é um elemento de design com valor próprio, e não apenas uma consequência da iluminação. É a cor do guará  vermelho contra o céu azul ou dos ipês-rosas contra o verde da floresta .As cores assim usadas “fazem uma foto O trabalho do arquiteto e  paisagista  mexicano Luis Barragán é um exemplo do uso da cor como elemento de design pesquise imagens  de barragan na internet .
(Acima e abaixo,o efeito lá gaguim,em que cores densas e saturadas ganham valor próprio no design da fotografia)

uma foto colorida com cores pastel ,ou em que predominam tons cinzas ,preto e branco ,também pode ser exemplo de uso da cor atenuada  como elemento de design .em dunas de areia muito brancas ou na antártica ,onde prevalecem paisagens de neve e rochas,são comuns as oportunidades de fazer uma foto  usando uma paleta de cores pastel ou uma imagem colorida como se fosse preto e  branco,produzindo um efeito sutil e elegante. As florestas de altitude ,úmidas e densas,frequentemente envoltas em nevoa e com estrutura  formal muito complicada ,ou de araucária são pouco dadas ao “efeito”

(Contraluz que mostra um exemplo de hair light na cabeça do mico-estrela,destacando-o do fundo de vegetação)
Gauguin, praias. Lagoas rios, restingas, cerrados e caatingas, naturalmente expostas ao sol forte prestam-se a esse tratamento cromático , pois apresentam cores diversificadas e intensas .Áreas sempre expostas ao sol apresentam flora de coloração mais diversificada ,como conjuntos de bromélias amarelada ou vermelhadas pela insolação ,areia branca ,terra vermelha,água  verde ou barrenta ,rochas negras e vermelhas ,plantas verde e céu azul .
A contraluz
 Ao fotografar na contraluz, com câmera virada para os raios solares, o fotografo assume altos riscos. Reflexos indesejáveis do filtro ou dos elementos do interior da objetiva  podem ficar registrados ,e a medição da luz é mais difícil nessas condições desfavoráveis  de visibilidade ,o fotografo  sofre para fazer a composição e perceber o tema .mas vale a pena  experimentar. A contraluz é uma iluminação de características especiais, com forte contraste entre a fonte e as áreas de alta e baixa luzes, mas rica em brilhos e sombras ,que definem  contornos e relevos nas sombras  protege informação que se perderia com outras iluminações  de luzes laterais muito contrastadas .nos retratos ,atenua  a expressão das pessoas que na luz frontal ficariam com o rosto franzindo pela luz batendo  diretamente nos olhos. A contraluz proporciona oportunidades para definir o contorno de montanhas, da vegetação e cabelo de gente ou o pelo de animais É a chamada hair light, a luz de cabelo, bem conhecida dos fotógrafos de retratos em estúdio, usada para destacar o sujeito do fundo. O para-sol ás vezes não é suficiente para bloquear os raios solares e evitar os reflexos do diafragma no sensor. Ao registrar diretamente contra o sol, o fotografo pode buscar  uma sombra para proteger a frente da lente ou usar a Mao para cortar os raios solares.nesse momentos ,é importante ter uma câmera com visor que cubra 100% da cena. Ao usar câmeras com visores que não captam toda a imagem que aparece no sensor, a Mão do fotografo pode ser registrada no centro mito que considero uma tolice, que provoca o desperdício de boa fotos, é o de que nenhum ponto da imagem deve estar estourado ,completamente branco ou preto.por que não? Se não é uma área grande e não prejudica esteticamente a cena, não há nenhuma razão para não ser aceito Ao contrário: nas cenas de contraluz, pequena área  estouradas são importantes para definir as áreas de alta luzes, como os borrifos de água numa cachoeira ou luz no cabelo das pessoas.
Toda fotografia de por do sol na contraluz. É importante saber explorar não apenas as características da temperatura de cor ou, simplificando, a cor da luz, as cores do céu e das nuvens, as também as silhuetas dos elementos contra um fundo espetacular isso ajuda a evitar a foto clichê, em que as cores do céu apenas ofuscam o fotografo, que assim não usa as possibilidades oferecidas pelo primeiro plano.

Luz lateral
 Há toda uma gradação de luz lateral: desde a que incide exatamente em ângulo de 90  ͦ ate as angulações em que essa classificação se confunde com a luz frontal ou a contraluz. A luz lateral produz sombras mais “duras”, ou seja, de limites mais contrastados e definidos. Portanto,merece  toda a atenção  para não eliminar área  de informação  importante ,como a cor da plumagem das aves , a expressão dos animais e das pessoas e elementos importantes para a compreensão da cena –as sim em determinadas situações de contraluz,vê-se a importância da técnica da luz de preenchimento das sombras com rebatedores de luz ou flash eletrônico .
Contraste, alto e baixo.
A  iluminação  pode também ser classificada pelo gradiente de distribuição de luzes altas e sombras ,pelo contraste e como isso influencia a regulagem da câmera .Há contraste  médio ,alto e baixo , e também tom alto(high Rey)  e tom baixo (low Rey) situações em que prevalecem totalmente luzes altas ou luzes baixas ,o que é claramente  demonstrado pela análise  do histograma . Caso de gaivotas brancas sobre dunas de areias brancas num dia frio, em que o mar ao fundo também reflete o céu nublado e esbranquiçado. Isso é high Rey: tom alto, claro sobre claro sobre claro todos os tones desviam-se para as altas luzes, os brancos, e o histograma mostra um pico do lado direito. Se fossem urubus comendo a carniça de um cavalo preto sobre o asfalto, todos os tons iriam para as luzes baixas, os pretos, e o histograma mostraria um pico do lado esquerdo. Isso é low Rey, tom baixo, escuro sobre escuro numa foto em que predominam os tons médios, o histograma aparecera como uma montanha ou um chapéu de Napoleão no meio do gráfico, com poucos picos ou nenhum nas extremidades nas quais são representados os brancos e os pretos.

Acima (esq.)uso de luz do sol a pino penetra na folhagem ,cria um belo efeito de contraluz nas  folhas e ilumina as flores do abricó de macaco na outra foto (á dir.) a cor como elemento de design da fotografia ,pois brilha e chama a atenção do observador
 A trajetória do sol
Ao sul do tropico de capricórnio ou ao norte do tropico de câncer ,a luz solar nunca incide nas superfícies voltadas para o sul ou para o norte ,respectivamente.essa informação é importante para se planejar a iluminação de fotos de paisagem ou arquitetura ,que dependem da luz solar na America do sul ,o tropico  de capricórnio passa por Ubatuba ,Guarulhos e   Sorocaba ,no estado  de são Paulo ;Maringá ,no Paraná ; corta o extremo sul de mato grosso do sul ,por concepción, no  Paraguai ;tilcara na argentina ;e Antofagasta no Chile .no  dia 21 de dezembro ,o dia mais longo do ano ,chamado solstício de verão  ,o sol esta sobre  o tropico  de capricórnio ,e apenas as localidades  ao norte dessa linha  recebem luz nas superfícies  voltadas  para o sul conforme o verão  avança após o solstício  , o sol vai inclinando para o norte .no solstício de  inverno ,o dia mais curto do ano ,21 de junho ,o sol esta sobre o tropico de câncer e todas as localidades ao sul desta linhas recebem  luz em sua fachada voltada para o norte . perto da linha do equador o percurso do sol no firmamento é mais curto :ele aparece a pino durante mais  tempo  e o período de nascer e de se por são mais rápidos .Ao meio dia as sombras caem aos pés das pessoas ,as casas tem fachadas e varandas sob as sombras profundas dos telhados e  asa áreas abertas ficam mais desertas durantes essas horas quentes do dia .Os habitantes de todas as  espécies  protegem-se do calor excessivo .É natural que os fotógrafos  prefiram as horas logo após o  amanhecer e antes do anoitecer ou usem luz de preenchimento durante  as horas quentes do dia Os animais também são mais ativos  nas horas mais frescas  do dia ,e esses são os melhores  períodos para encontra-los  e fotografa-los .no entanto  ao contrario  da fotografia  de animais ,para a fotografia de paisagens ,interior  da floresta é mais fotogênico com o sol a pino ,pois a luz
Penetra na mata no fim da tarde e logo de manhazinha as arvores  da periferia bloqueiam os raios solares ,que não atingem o interior  da floresta . perto das linhas dos tropico nos meses de inverno  quando o sol fica inclinado para o  norte ,aumenta o período favorável á fotografia . com temperaturas mais amenas ,os animais ficam ativos por períodos mais longos , e o brilho no olho tão importante ,pode ser registrado ate mais tarde.

Os raios  dourados do sol da manha bem cedinho iluminam a mata da reserva  particular de cristalino,no mato grosso.
 A luz das nuvens    
 As três variáveis mais importantes de nuvens como difusores de luz são a espessura da camada (opacidade),a área  de céu que cobrem (cobertura) e a posição do sol em relação a elas .num dia totalmente nublado as sombras tornam-se muito fracas ou desparecem completamente. Dependendo da espessura da camada de nuvens ( opacidade),essa sombras e brilho da imagem tornam –se mais ou menos pronunciadas .O EV(1 EV =1 ponto)  ou seja ,a relação da velocidade do obturador com a abertura do diafragma ,pode variar ate 4 pontos em relação  a um dia ensolarado em comparação por exemplo ,com a cobertura de  nuvens  densas e escuras de tempestade . Quando o sol esta entrando  numa camada de nuvens, a exposição varia rapidamente ate 2 pontos e a temperatura  de cor também é alterada.A temperatura de cor da luz solar direta é de cerca de 5.200k. esta luz é mais amarelada (adicionar amarelo na pós –produção,no computador simula a  cor da luz solar)
Mas  quando o sol é escondido pela nuvens a influencia do azul refletido pelo céu aumenta a temperatura de cor ate 8 mil k ou 10 mil k .isso  depende da cobertura das nuvens .com o céu completamente nublado ,a temperatura  de cor fica por volta de 6 mil k ,um pouco mais frio que a luz solar  direta.Nuvens  com uma conformação  vertical ou nos períodos da aurora  e do  crepúsculo ,do lado oposto do sol podem
Funcionar como refletores .se as nuvens são brancas e brilhantes ,podem preencher sombras e diminuir a influencia do céu azul na temperatura  de cor ,diminuindo o tom azulado  das sombras.

No fim da tarde ,os raios dourados do sol jogam uma luz muito especial nas crianças da comunidade boca  do Mamirauá  no amazonas
 A luz divina  
Quando as nuvens  se abrem e um raio de luz desce  iluminado  especialmente uma cena ,surge a luz divina . talvez por isso seja tão rara e mais rara ainda a  oportunidade do fotografo  captá-la  quando cai sobre uma arvore ,uma casa ,uma manada de animais um grupo de pessoas ou qualquer elemento que determine  uma boa foto As condições para a luz  divina são muito especificas: a luz do sol deve estar já bem inclinada as nuvens devem se afastar só um pouco  para permitir a passagem do feixe  que ilumina  e a atmosfera deve ter alguma umidade ou partículas  em suspensão .Atrás  desse facho de luz deve estar escuro  como um quarto  com poeira no ar ,captando um raio de luz que entra pela janela.
 Raios dourados
 Em dias de atmosfera  limpa e sem nuvens ,alguns minutos após o amanhecer ( num ângulo de 5° do sol com a superfície da terra ) ate  uma hora  depois ( num ângulo  de 20°), uma luz  brilhante e rica de tonalidade quente ,e que projeta sombras longas e definidas ,ilumina o planeta e convida-o  para momentos especiais de fotografia na natureza  .É uma oportunidade especial ,e o fotografo  previdente que estiver em campo nessas horas propicias para encontrar os animais ,terá mais oportunidades de encontrar também os raios dourados  do sol. Na beiras da matas ou em arvores  isoladas,essa luz penetra nos galhos  sob as copas  das árvores   e ilumina animais  que durante as altas horas do dia  descansam nas sombras .ela também oferecer oportunidades para silhuetas e texturas ,porque incide num ângulo  muito pequeno ,num rasante  em relação á superfície da terra. Essa luz de tão  curta duração ,ilumina as paisagens e as criaturas ,transmitindo uma sensação de vigor e intensidade com muito brilho e alto 
Contraste  sua temperatura de  cor esta entre 3.500k e 4.500k e talvez por ser uma iluminação tão fugaz  e relativamente rara,tão valorizada .de  manha cedo e de tardinha é comum o horizonte estar nublado e não  são muitos os dias em que o fotografo esta em campo e tem a chance de  aproveitar esses momentos de luz tão especial.

 Exemplo de luz divina em tronqueira  porque nacional do Caparaó  em minas gerais
 Luz de tempestade
 Uma das mais dramáticas  luzes na natureza ocorre naqueles momentos  em que antecedem as tempestades ,quando grandes massas de nuvens  escuras de um lado do horizonte são iluminadas frontalmente  pelo raios  do sol do outro .no pôr do sol , o efeito é ainda mais interessante . regiões muito  montanhosas não são os locais mais  propícios  para fotografar luzes de tempestades .são necessárias grandes extensões com a visão  livres ,como á beira-mar nas planícies do pantanal  e da Amazônia ou nos chapadões da região central do Brasil ,onde o calor e a umidade formam tempestades frequentes na  época de chuvas . A luz de tempestade ,assim como a luz divina é uma dádiva da natureza .mas para aproveitar as oportunidades é preciso estar atento e ter um pouco de previsão para estar no lugar e no momento certo.não basta um espetáculo no céu é importante também que algo  belo ou interessante esteja acontecendo na  superfície . na fotografia de natureza, como não se pode  controlar o sol nem as nuvens ,deve-se  escolher os temas de acordo  com as condições encontradas ou seja ,adaptar-se ao que a natureza determina  para a luz e a cor representarem  um importante papel no design da  fotografia ,devem ter alguma característica especial de raridade ou beleza .na natureza e difícil planejar em longo prazo .mas o fotografo precisa estar atento ao ambiente percebendo como a luz se forma no céu .junto as nuvens ,e ilumina o planeta .é como ela incide sobre as paisagens as plantas e os animais. É preciso  estar conectado com o momento e o mundo para compreender sua ferramenta de trabalho: a tinta com que escreverá a historia das fotos.