quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Arte em preto e branco

“Trabalhar em preto e branco me faz sentir mais como pintor do que como fotógrafo”
Emotiva, atemporal, pura e modesta; esses adjetivos resumem perfeitamente a fotografia em preto e branco, apontando ao mesmo tempo certas qualidades que podem não existir sugerindo de forma alguma que você passe a clicar apenas em preto e branco, este artigo ilustrará as vantagens de ver o mundo através de uma imaginaria lente monocromática. Quer isso  permita que você concentre a atenção na composição ou a aprofunde a sua avaliação da luz e da sombra, a fotografia em preto e branco oferece aos fotógrafos de qualquer nível uma nova gama de habilidades e técnicas, abrindo as portas de um novo reino de exploração fotográfica.

Guy Gagnon, fotografo canadense residente na Bélgica, é um nome importante no mercado europeu, com clientes de categoria como a IKEA. Suas preferências abrangem vários gêneros, entre abstratos naturais e arquitetura – ambos, acredita ele, bons para fotografar em preto e branco.

As fotografias de arquitetura são frequentemente monocromáticas, de modo a enfatizar a forma dos edifícios. O contraste acrescido proporcionado pelo modo preto e branco sobre as cores adequa-se perfeitamente ao motivo. É frequente realizar estas fotografias de manhã cedo, em parte para evitar as distrações do trânsito e das pessoas, mas também para beneficiar da iluminação proporcionada pelo sol baixo no horizonte. Esta iluminação cria sombras alongadas e pode produzir uma textura apelativa em pedras ou no asfalto. Estas imagens podem beneficiar também da simplicidade e nitidez do modo preto e branco.

É por essas razões que, mesmo após os filmes coloridos se tornarem populares e os papéis disponíveis no mercado serem capazes de representar com fidelidade as cores da natureza, a partir da segunda metade do século XX, que um grande número de fotógrafos contemporâneos consagrados preferiram direcionar suas produções na fotografia em preto e branco.

A maior parte das câmeras já tem uma pré-definição que nos permite fotografar em preto e branco. Não a use. Pode soar estranho, mas suas fotos monocromáticas podem ser bem melhores se feitas em cores.Uma boa imagem em preto e branco vai exigir pós-processamento, e o padrão da câmara de conversão preto e branco não é tão bom quanto ter a sua própria conversão preto e branco.
Ao contrario da maioria dos fotógrafos, as fotografias de Guy são predominantemente em preto e branco. Ele acredita que a razão para isso é que a técnica permite que ele saia da mesmice.

Houve um tempo que as imagens fotográficas eram monocromáticas por limitação tecnológica. Grandes nomes da fotografia desenvolveram suas linguagens e estilos baseados nos pilares da composição, da luz e da força do momento, não fazendo uso da cor. Hoje, apresentar um trabalho em preto e branco ou em cores é decisão do fotógrafo. Se por um lado as fotografias em preto e branco não expressam as cores que os olhos veem, por outro são uma poderosa ferramenta para revelar sentimentos e emoções. Na fotografia monocromática não há a distração do contraste de matizes. O contraste é tonal, dos tons de cinza, e a atenção do observador é toda voltada para o drama da foto.

A fotografia em preto e branco combina na perfeição com a temática de retratos. Isto pode dever-se, em parte, ao fato de muitos retratos icônicos de séculos passados serem monocromáticos e estarmos, portanto, familiarizados com o estilo. Mas também porque, quando a imagem é despida de cor, permanecem apenas o carácter e a personalidade. A adição de iluminação lateral funciona particularmente bem, já que permite um maior contraste entre os detalhes realçados e as sombras.
Não precisa fotografar em preto e branco; pode fotografar a cores e, quando tiver transferido o arquivo para o computador, copiar e converter a imagem para preto e branco. Mas lembre-se de que o efeito de uma cena a cores pode não ser o mesmo que em preto e branco - e vice-versa.
Por exemplo, quando fotografadas a cores, as flores vermelhas destacam-se num fundo verde. Mas quando o mesmo motivo é fotografado em tons monocromáticos, o vermelho e o verde convertem-se em tons de cinzento semelhantes.
Todas as câmaras digitais Canon podem criar ficheiros JPEG. Estes são processados no interior da câmara, desfazendo-se de dados de imagens indesejados. É possível abrir um ficheiro JPEG com o software fornecido com a câmara Canon e efetuar alterações, tais como, por exemplo, a conversão de um ficheiro a cores para preto e branco. Mas não estará a trabalhar com todos os dados, o que limita o leque de alterações possíveis.
Se gosta de trabalhar as imagens após transferi-las para o computador, é aconselhável gravá-las como ficheiros RAW. Todas as câmaras EOS e algumas PowerShot permitem criar imagens RAW. Estes ficheiros retêm todos os dados captados pela câmara, disponibilizando um leque mais amplo de opções de ajustes aplicáveis à fotografia. Pode aplicar um efeito de filtro vermelho, amarelo ou verde para aumentar o contraste, ou até adicionar um tom sépia, azul ou roxo.
As paisagens de Inverno adéquam-se perfeitamente à fotografia em preto e branco. Nesta altura do ano, é normal haver pouca cor – não existem verdes vivos e vemos apenas escassas flores em tons de vermelho ou amarelo. Uma paisagem coberta de neve já é majoritariamente monocromática. Concentre-se nas formas das árvores despidas de folhas, paredes de pedra e edifícios. A composição e o contraste tornam-se elementos fundamentais da imagem.
A utilização de filtros não só torna a cena mais dramática, como também realça o contraste entre as nuvens brancas e o céu. Em todas as câmaras EOS e em diversas PowerShots, como a PowerShot G12 e PowerShot SX30 IS , é possível utilizar filtros. Em alternativa, encontra-se disponível o efeito de filtro nas definições Picture Style (Estilo de imagem) das câmaras digitais Canon EOS . Pode selecionar amarelo, vermelho, laranja ou verde para alterar os tons monocromáticos e simular o efeito dos filtros. Consulte o manual de instruções da sua câmara para obter mais informações.
A regra dos terços é particularmente útil na fotografia em preto e branco, já que existe pouca cor para distrair o olhar. Imagine uma grelha desenhada no visor da câmara - duas linhas verticais e duas linhas horizontais, formando quatro interseções. Tente colocar o motivo principal numa dessas interseções. Assim se produz uma composição forte.
“Preto e branco não copia a realidade: representa-a em sua própria linguagem”